Sala Aberta

…para discutir o uso mídia e TIC na educação

Tião Rocha] O Educador que ousou questionar se era possível fazer educação sem escola

Ao questionar-se sobre a possibilidade de fazer educação sem escola, educador mineiro criou o Centro Popular de Cultura e Desenvolvido e provou que comunidades carentes podem, sim, mudar a sua realidade

Tião Rocha | Foto: Danilo Verpa - Folha Imagem.

TIÃO ROCHA | Foto: Danilo Verpa – Folha Imagem.

Por Talita Moretto

“É possível fazer educação embaixo de um pé de manga?”. Esta pergunta foi feita há mais de vinte anos pelo educador popular, antropólogo e folclorista, Tião Rocha, por acreditar que era possível criar um espaço onde as crianças pudessem, de fato, ser criança. E a resposta foi sim, motivando a fundação, em 1984, do Centro Popular de Cultura e Desenvolvido (CPCD). “A pergunta sempre foi se era possível fazer educação sem escola, sem prédio, sem estrutura física. E aprendemos que é possível sim, mas somente se tivermos bons educadores”, conta Tião, que ressalta ainda: “professor é aquele que ensina, quem repassa a informação; educador é aquele que aprende, que constrói junto.”

O CPCD é conhecido em todo o Brasil devido à metodologia, que valoriza as comunidades e os atores sociais como peças imprescindíveis no processo de ensino. Para Tião, “educação é algo que só ocorre no plural”, ou seja, é necessário existir mais de uma pessoa para que ela aconteça. “Você aprende na relação com o outro, que não é igual a você, é diferente; na aprendizagem, você troca o que tem pelo que não tem, senão não faz sentido”, afirma.

O trabalho no CPCD valoriza a formação continuada, ou permanente, por ter a certeza de que somente a existência de educadores comprometidos e bem formados, ética e tecnicamente, trará êxito aos projetos. Neste sentido, o Centro capacita pessoas da comunidade para que se tornem: provocadores de mudanças, criadores de oportunidades e construtores de cidadania. “Nos perguntamos: aonde estão os bons educadores? Então percebemos que eles não estão sendo formados, nem em quantidade nem qualidade, por quem deveria formá-los: a universidade. Como as crianças não esperam, elas crescem, fomos por outro caminho, ou seja, passamos a nós mesmos formar os profissionais que trabalham conosco da forma que achamos ideal”, conta.

A participação dos membros da comunidade é essencial, não apenas como beneficiários, mas sujeitos e parceiros em todas as etapas dos projetos. É o que possibilita o enraizamento das propostas, a garantia de sustentabilidade ao longo do tempo, a apropriação de novos conhecimentos pelas comunidades-alvo, a geração de novas tecnologias e a formulação de indicadores de qualidade.

Desta forma, a “sustentabilidade” é trabalhada pelo CPCD com quatro dimensões: compromisso ambiental, valores humanos e ambientais, satisfação econômica e “empodemento comunitário” (uma tradução própria para “nós podemos”). Para isso, existem dois programas articuladores: “Meu lugar é aqui” e “Cuidando dos Tataranetos”. “Trabalhamos com a ideia de pensar em lugares humanizados e viáveis para todos e para sempre”, esclarece Tião.

Além do trabalho com o CPCD, Tião é autor de obras de desenvolvimento cultural e comunitário e membro de várias organizações de fomento a iniciativas na área. Seu trabalho é baseado em questionamentos, os quais garantem o crescimento estrutural e educacional de todos os envolvidos nos projetos.

Fotos: Danilo Verpa – Folha Imagem.

Centro Popular de Cultura e Desenvolvido: O CPCD é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos e de utilidade pública federal, fundada em 1984, pelo educador e antropólogo Tião Rocha, em Belo Horizonte-MG, para atuar nas áreas de Educação Popular de Qualidade e Desenvolvimento Comunitário Sustentável, tendo a Cultura como matéria prima e instrumento de trabalho pedagógico e institucional. A ONG dedica-se à implementação e realização de projetos inovadores, programas integrados e plataformas de transformação social e desenvolvimento sustentável, destinados, preferencialmente, às comunidades e cidades brasileiras com menos de 50 mil habitantes, onde vivem mais de 95% da população brasileira. Conheça mais sobre o trabalho em: www.cpcd.org.br.

Matéria publicada na editoria JM na Educação, no Jornal da Manhã (Ponta Grossa-PR), em 09 de abril de 2013.

About these ads

No comments yet»

Comente este post.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.657 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: